Brasil, a nova fronteira para a energia solar

A Enerray do Brasil vê o Brasil como a nova fronteira para energias renováveis

Diante do panorama econômico, diversos fatores dificultam a viabilização de novas usina hidrelétricas e térmicas, abrindo espaço para outras fontes geradoras de energia, como a eólica e a fotovoltaica.

Dentro desse no cenário, algumas empresas internacionais enxergam no Brasil uma grande oportunidade para a exploração de usinas de energia limpa. Uma das oportunidades que vem se destacando são as usinas fotovoltaicas.

Segundo o Diretor da Enerray do Brasil, Thomas Kraus, o Brasil é um mercado com perspectivas de crescimento muito significativas a médio e longo prazo e a Enerray pretende se estabelecer como uma importante empresa no setor de energia renovável.

A Enerray está construindo duas usinas no interior da Bahia que gerarão 254 MWp e 103 MWp e uma produção anual está estimada em 700 GWh. A energia que será produzida, equivale às necessidades anuais de consumo de mais de 268 mil domicílios brasileiros, traz benefícios para o meio ambiente evitando a emissão de mais de 180 mil toneladas de CO2 por ano. As obras já realizadas pela Enerray são responsáveis por retirar da atmosfera 524.332,23 toneladas de CO2. Esta será a maior usina fotovoltaica da América Latina e contribuirá para atender a demanda de eletricidade no Brasil, que segundo as estimativas até 2020, terá um aumento de consumo em uma taxa média anual de 4%.

Segundo o Greenpeace, organização não governamental que estuda e defende o meio ambiente, o Brasil tem plenas condições de chegar a 2050 com uma matriz energética de energias 100% renováveis. Segundo o estudo da orgnização denominado “Revolução Energética” de 2015, o cenário de 2050 será de uma [r]evolução energética.

Faça o download do relatório do Greenpeace sobre a revolução energética>